XII Integralidade sem fronteiras
Nesta edição itinerante do seminário propomos um triplo movimento de debates, que não se excluem. O primeiro momento se inicia com o Encontro Regional NORTE de Humanização e Apoio Institucional, que visa fomentar a interação entre diversas esferas de administração e gestores, potencializando a capacidade de integração e de gestão dos programas de saúde.
As atividades pré-seminário têm um segundo momento de debate na Ágora intitulada “Áreas Programáticas estratégicas em saúde e Integralidade do cuidados: as fronteiras das políticas específicas na efetivação do direito humano a saúde”. O objetivo é refletir sobre o desenvolvimento de políticas específicas, face a necessidade de considerar as questões identitárias na construção da integralidade do cuidado e do direito à saúde, que se colocam à gestão das políticas de saúde. Em seguida, a abordagem sobre “Universalidade do acesso ao cuidado nas fronteiras da Amazônia Legal” se dará a partir de uma perspectiva macroestrutural acerca das políticas “transnacionais”, no intuito de identificar os atributos necessários a efetivação do direito humano à saúde, num ambiente intercultural da região amazônica ocidental. Subjacente a essa questão, destacamos a temática da “Comunicação, saúde e sociedade”, entendendo-a como uma tríade constitutiva do processo de democratização da informação na saúde. Os espaços públicos virtuais e materiais impõem desafios, limites e avanços para compreender as especificidades sócio-políticas, econômicas e culturais, e como estas podem afetar a gestão e o processo de trabalho em saúde na região. Para finalizar este segundo movimento, elegemos o debate sobre a educação médica nas fronteiras, buscando identificar novos arranjos formativos frente às especificidades de fixação desses profissionais na região amazônica e a busca de instituições de formação em países vizinhos.

O terceiro movimento, o seminário propriamente dito, se desenvolverá a partir do tema central "Os itinerários formativos, de justiça e avaliativos na busca por cuidado"em quatro eixos constitutivos. Cuidado como valor multicultural, trabalho em equipe na construção de cuidados específicos, humanização e educação permanente, avaliação na produção do cuidado em saúde são algumas dessas questões, que serão repensadas à luz das especificidades que caracterizam a principal fronteira da integralidade: o cuidado. Distribuídos em mesas de debates, tais eixos buscam problematizar questões candentes acerca dos saberes e práticas dos atores no cotidiano das instituições de saúde, ensino e justiça.

Estimamos que a reunião de pesquisadores, docentes e discentes da rede multicêntrica de pesquisa LAPPIS e diferentes pesquisadores, docentes, promotores, gerentes e gestores de outras instituições de ensino, saúde e justiça, nos permitirá garantir a vitalidade do tema em uma região – Amazônia Legal – que nos exige cada vez mais um esforço de refundação de um ethos cultural do cuidado.



Compartilhar